Friday, September 09, 2005

Marte desceu ao Bairro

O projecto de D-Mars assinado sob o nome de Rocky Marsiano (nome o qual D-Mars já usa desde pelo menos: "Demo Style" dos Micro onde se assinava por Rocky Marsiano na producção musical do album) apresentou-se pela primeira vez ao vivo no Mercado Club (agora situado na Rua das Taipas nº8 - Bairro Alto).



A formação apresentada ao vivo nesta fase foi D-mars na manipulação digital do groove (na sua Mpc2000), T-One na guitarra, Nel'Assassin nos pratos e no saxofone, Rodrigo Amado.


O disco Pyramid Sessions é um disco de ambientes densos e fulminantes, por vezes o groove enche os nossos ouvidos e a nossa cabeça é impelida a velocidade do cross-fader de Nel Assassin, outras vezes deixamo-nos levar pelos temas mais belos, e onde quase conseguimos imaginar, paisagens e histórias cruzadas numa noite cinzenta, e de olhos fechados seguimos a respiração metálica de Rodrigo Amado. Talvez não tenha sido fácil para um projecto maioritariamente instrumental conseguir a transição disco- apresentação ao vivo, contudo estiveram irrepreensiveis!


Enquanto D-Mars (Rocky) dirigia a sua orquestra através da mesa de mistura, disparava atentamente e no tempo preciso, preciosos pedaços de som, que faziam todo o sentido. Nel Assassin com a sua musicalidade mostra porque é de fato o melhor turntablist português, e dá vida a alguns dos momentos mais belos de Pyramid Sessions, T-One teve o seu momento de génio, enquanto solou sozinho e fechou os olhos à maioria da sala com a sua guitarra, o saxofonista Rodrigo Amado nem precisa destas palavras... a sua actuação foi... simplesmente fenomenal!

Em termos de conjunto estava tudo encaixado, D-Mars apresentava os temas, as coisas fluiram como grupo, tudo orquestrado, os temas saiam direitinhos e no fim até interludios jazz preenchiam o silêncio e acompanhavam o público entre cada tema.



Finalizando, Rocky Marsiano ao vivo promete, talvez seria ainda mais incrivel se a formação aumentasse com por exemplo D-Fine em vocals, mas continua a ser um espectaculo a não perder!

Estranhamente toda a actuação teve m caracter especial, pois não consegui deixar de fazer a analogia com um quarteto de jazz, portaram-se como um quarteto de jazz, e dos bons..

Paz

P.s.: Sobre o album : Pyramid Sessions

Monday, September 05, 2005

A P-Funk Odyssey in Space!

Que melhor maneira de retornar das férias que senão diggando por entre as feiras e por crates empoeiradas das pequenas lojas dispersas por Lisboa e não só...
Novidades são muitas em termos de música e vou voltar a apresentá-las aqui pelo Mpc4000, de volta a escrita electrónica, e as contribuições literárias para que todos possamos partilhar o amor pelos discos/música.

Nada melhor que ler este artigo, que posso já dizer, que o adorei ler quando o recebi, o artigo retrata o P-Funk escrito por quem gosta e quem o ouve com prazer Funkadelico e orgásmico! O P-Funk é uma "era" musical iniciada por Parliament/Funkadelic, alias P-Funk funciona como uma abreviatura disso mesmo (ou a Pure Funk), mas para quê as minhas palavras enquanto se podem deliciar com as palavras do nosso caro amigo .Quanto a mim continuo a aprender muito sobre o P-Funk, através dos albuns e de conversas, vou descobrindo várias coisas interessantes pelo caminho, o P-Funk é uma corrente retratada por influências mais psicadélicas induzidas num funk puro e suado como o do mestre James Brown. Aqui fica o artigo escrito pelo Funkula, funkadelicamente delicioso:

Palavras escritas e Imagens selecionadas por Johnny a.k.a Funkula:



1975 ODISSEIA NO ESPAÇO




"A saga P-Funk tem sido Funkadelicamente complexa e rica ao longo da história da Música de Dança, desde a altura que a formação inicial era um simples grupo de pretendentes de Doo-Woop, passando pela «Revolução da mente a questionar a autoridade do final dos anos 60, inicio da década de 70», negócios pouco ortodoxos na industria da Música, a transformação em supremos Funkateers na década de 70, até às novas estratosferas Funkadelicamente rejuvenescedoras da Geração Hip-Hop, a saga P-Funk tem sido bem ecléctica e sempre em crescimento (até certa altura).

Tudo começou em 1955, quando George Clinton formou os Parliaments, um quinteto de Doo-Woop que costumavam divertir-se na barbearia de Clinton, localizados em Plainfield, Nova Jersea. Na formação inicial faziam parte Ray Davis, Fuzzy Haskins, Calvin Simon, Grady Thomas e George Clinton.
Ray Davis, muito infeizmente faleceu à pouco tempo e sempre foi um dos supremos Funkateers da odisseia P-Funk, a sua Voz grave é imortal no Legado cultural desta Musica! R.I.P. Ray Davis!
No inicio da década de 60 os Parliaments deslocaram-se para Detroit, com o objectivo de assinar um contracto com a Motown, pelos vistos, Berry Gordy rejeitou gravá-los no estudio por serem bastante semelhantes aos Temptations, (naquela altura havia «n» grupos parecidos com os Temptations) de forma que optaram por uma editora pequena, a Revilot, e foi assim que nasceu o primeiro exito dos Parliaments em 1967 – I Just Wanna Testify . Esta pérola Vinylica teve a proeza de alcançar o 3º lugar nas charts de R&B .
Enquanto que em 67, os Parliaments eram um grupo Soul bastante convencional, (não significa que não eram bons) até ao final dos anos 60, a formação transformou-se completamente! O Funk, o Rock de pesos pesados e os ácidos causaram um efeito cataclísmico nas suas vidas! Os gajos começaram a abrir os ouvidos (e as suas mentes) à Música Revolucionária do James Brown, dos Meters, dos Sly and The Family Stone, do Jimi Hendrix, dos MC5, dos Stooges e dos Beatles ( alem de serem influenciados de certa forma a nivel musical pelos Beatles, George Clinton ambicionava a fama à escala da fama dos Beatles).



Antes da Revolução da Mente da máfia P-Funk, apareciam em palco sempre de fatinho e gravata todos bonitinhos, até que começaram a aparecer em palco (e provavelmente no dia-a-dia, não é de admirar!) vestidos de lençois rasgados, só com umas fralditas, vestidos de Indio, às vezes completamente nús, vestidos de recluso (atenção que estamos aqui a falar de P-Funk não dos Village People). Em palco P-Funk tocava um som muita marado, muita tripalhoco e Funkadelicamente brutal, uma fusão marada de Rock psicadélico e Rhythm & Blues!



1970, foi lançado o primeiro album dos Parliament – Osmium , pela lendária editora de Detroit, a Invictus. Logo no inicio da década de 70, começaram as disputas burocráticas na industria, e uma dessas lutas resultou na origem de um novo grupo com os membros dos Parliaments – Funkadelic, e ao longo da década de 70 lançaram uma série de discos, que veio a oferecer-lhes ao longo da história um enorme culto de seguidores.
Desde o inicio dos anos 70, uma das grandes proezas de George Clinton, tem sido saber recrutar Musicos bem talentosos: o teclista Bernie Worrel (ver imagem abaixo), o guitarrista Eddie Hazel, o baixista Billy «Bass» Nelson, Tawl Ross, outro grande guitarrista, o baterista Tiki Fulwood, os irmãos Collins, William «Bootsy» e Phelps «Catfish» a tocar baixo e guitarra electrica. Em 1972, mais de 30 musicos e cantores(ras) contribuiram para America Eats Its Young, nos concertos eram chamados de Funkadelic Main Ivasion Unit.



Os temas dos albuns de P-Funk têem sido bastante variados ao longo dos anos. Os primeiros albuns de Funkadelic lidavam muito com a Justiça, a Pobreza e a Liberdade do panorama Social que se vivia na altura, e muitos desses Temas continuam bastante actuais hoje em dia! Funky Dollar Bill, por exemplo, um tema brutal composto por Ray Davis, que sentiu-se inspirado a faze-lo quando viu vários membros da banda completamenete alucinados, num ponto sem regresso, e pensou que nada daquilo poderia acontecer sem dinheiro. Funky Dollar Bill é sem duvida um tema intemporal, com Bernie Worrel a tocar maravilhosamente e toda a banda encontra-se Funkadelicamente incediária!
Este tema além de ter sido lançado no magnífico album «Free Your Mind and Your Ass will Follow», saiu também no lado B do 7” de «You and Your Folks, Me and My Folks», o primeiro single de outro album igualmente brilhante – Magot Brain. «You and Your Folks…» é um tema que lida com a estratificação das Classes Sociais, um dos temas preferidos de P-Funk, numa abordagem directa e brutal, de uma forma mais indirecta, pode-se ouvir em «Cosmic Slop».



America Eats Its Young é bem capaz de ter sido o maior manifesto político dos Funkadelic, as letras das canções lidam de uma forma brutal acerca da hipocrisia daqueles que não têem o minimo de compaixão pela Classe Baixa – If You don´t like the effects, don´t produce the Cause ou Biological Speculation.
Os Parliament tambem tinham uma menssagem politica bastante forte, desde Osmium até à altura em que as mensagens começaram a ser abordadas de uma forma mais subtil, num contexto Si-Fi. A canção que lida de uma forma mais directa o estado critico da sociedade é capaz de ser Chocolate City, que defende que o direito ao voto é a melhor arma para dar volta ao sistema.
A nivel musical, a musica de Parliament passou a ter uma maior incidência na secção de Sopro e a abordagem seria mais comercial (o que não significava que as produções e os arranjos fossem bem arrojados, Parliament era lançada pela Casablanca).
A participação dos Horny Horns foi Funkadelicamente brutal, a inclusão dos lendários musicos que tinham acabadinho de obter os seus merecidos Douturamentos com os Grooves pulsantes do profeta James Brown, encontravam-se prestes a receber os seus Mestrados na Obra-Prima que viria a nascer, tudo isso graças aos seus rasgos Funkadelicamente brilhantes!



1975 A Odisseia no Espaço, que acabou por chegar à Terra e libertar 500000 Killowats de Poder P-Funk! Foi um dos anos mais significativos desta maravilhosa saga, deu-se uma mudança brutal tanto a nivel comercial como a nivel conceptual, Mothership Connection viria a tornar-se uma das obras-primas maiores numa serie de albuns Si-Fi! A mensagem deste disco encontra-se na alegoria de Starchild, o anjo da guarda dos Funkateers na Terra que profetizou a vinda de Dr Funkenstein, Starchild é tambem o representante oficial da Funkinteligência e Protector do Prazer Primario! O seu arqui-inimigo, Sir Nose Devoid of Funk, (que veio a aparecer mais tarde em «Funkentelechy vs The Placebo Syndrome» um album conceptual igualmente maravilhoso), representa a hipocrisia, a restrição das emoções e das acções.
As aventuras e desventuras continuam com o igualmente magnífico Motor Booty Affair, e os albuns Gloryhallastoopid e Trombipulation.
Mothership Connection foi o primeiro das Funk-Operas da saga P-Funk! Em cada concerto, a Nave-Mãe, vinda de uma Galáxia Funkadelicamente distante, aterrava no palco do espectaculo, o que causava (como é obvio) um Orgasmo Visual e ultra-sónico inigualável!


Conforme o P-Funk crescia cada vez mais, nasceram outros grupos tais como Bootsy’s Rubber Band, Parlet, Brides of Funkenstein ou os Horny Horns, cada um destes projetos tinha assinado um contrato com editoras diferentes, e no inicio dos anos 80, houve uma serie de complicações burocráticas, processos em tribunal, enfim, parecia estar tudo a ir por água abaixo, a propria criatividade musical desmoronou-se cada vez mais, embora houvesse belas colaborações entre Bill Laswell e musicos P-Funk, tal como o belíssimo disco «Rhythm Killers» de Sly & Robbie. Um dos discos que veio a re-novar a estética P-Funk foi sem duvida o primeiro album de Zapp, produzido pro Roger Troutman e Bootsy Collins em 1980, e ainda mais Funkadelicamente rejuvenescedor, deu-se dois anos depois, com o album Computer Games, especialmente com o tema Atomic Dog! Uma re-invenção brilhante das sonoridades P-Funk!
Atomic Dog acabou por ser um dos grandes ultimos exitos desta saga maravilhosa, embora George Clinton tenha continuado a produzir, verdade seja dita, nunca mais houve os rasgos de criatividade que tanto fez parte da década de 70.





Com o nascimento do Hip-Hop, um dos elementos cruciais deste belissimo Movimento rejuvenescedor foi o da disciplina Beat-Diggin´, que levou a Diggers na Arte do Djing preferirem os Grooves do lendário profeta James Brown aos Grooves P-Funk.
1989, quando os DeLaSoul ofereceram ao Mundo toda aquela riqueza psicadélica ao seu magnífico album 3 Feet High and Risin´ , a vitalidade P-Funk estava de regresso, o Groove de Not Just Knee Deep dos Funkadelic, foi samplado para o belíssimo tema Me, Myself and I.
O maior exito do ano seguinte foi Humpty Dance dos Digital Underground, não só samplaram um tema dos Parliament, mas também ressuscitaram a personagem do vilão Sir Nose Devoid of Funk, na personagem Humpty Hump. Além destes dois casos mais emblemáticos, muitos outros projectos samplaram P-Funk, tais como: Stetsasonic, Jungle Brothers, Ice Cube, Tone Loc, Run DMC, Ice T, LL Cool J, entre tantos outros.
P-Funk tem tido uma influência extraordinária numa serie de musicos de estilos diferentes, na década de 90 continuaram a haver as colaborações de Bill Laswell com certos musicos do P-Funk e Bernie Worrell ofereceu a sua substância Funkadélica aos Talking Heads.



Todo o percurso que têem tomado desde o Quinteto Doo-Woop na barbearia de George Clinton, até às Funk-Operas que eram Funkadelicamente Orgásmicas até ao Movimento Hip-Hop, que em muito boa parte rejuvenesceu as sonoridades P-Funk para novas paisagens sónicas, ou até mesmo os rasgos na Arte do Djing por Mixmaster Mike, em que ele faz Scratch no belíssimo Atomic Dog e no outro Prato a rodar, tem um cachorrinho a ladrar, (elevando as sonoridades P-Funk para desconhecidas Galáxias ultra-sónicas) a Odisseia P-Funk tem sido muito complexa e rica ao longo da história da Musica de Dança!

Funkula


Palavras finais, e research da sample list por The Producer:

É obvio que o P-funk, como os restantes estilos musicais que antecederam os dias de hoje (não quero com isto dizer que estejam necessariamente extintos, aliás, longe disso) marcaram a música através do uso do sampling, ora veja-se o que se pode descobrir facilmente na internet sobre os samples provenientes do P-Funk:


Parliaments:

Single:
I'll Wait De La Soul Millie Pulled A Pistol On Santa


Parliament:



Do disco: “Osmium”
Little Ole ... De La Soul Potholes In My Lawn


Do Disco: “Chocolate City”
Chocolate City Ice Cube I Wanna Kill Sam
Chocolate City Kool G Rap Live And Let Die
Chocolate City Salt N Pepa He's Gamin On Ya



Do Disco: “Mothership Connection”
P.Funk Del Sunny Meadowz
P.Funk Dr. Dre The Roach(Outro)
P.Funk Ice Cube Say Hi To The Bad Guy
P.Funk NWA 1-900-2-Compton
P.Funk Redman Da Funk
P.Funk Tone Loc Don't Get Close
Mothership Connection Run DMC Groove To The Sound
Mothership Connection Tone Loc The Homies
Supergroovalisticprosi. Ice Cube How To Survive In South Central
Give Up The Funk Last Poets Funk
Give Up The Funk MC Hammer Turn This Mutha Out
Give Up The Funk Snoop What's My Name


Do Disco: “Clones Of Dr. Funkenstein”
Gamin On Ya Ice Cube Us
Dr. Funkenstein Ice-T Bitches 2
Dr. Funkenstein Scarface Lettin' Em Know


Do disco: “P.Funk Live: Earth Tour”
Swing Down...(live) Dr Dre Let Me Ride


Do disco: “Funkentelechy Vs. The Placebo Syndrome”
Bop Gun Ice Cube Endangered Species (vocals)
Bop Gun Redman Da Funk
Bop Gun Redman So Ruff
Sir Nose D'Voidoffunk EPMD Play The Next Man
Sir Nose D'Voidoffunk Ice Cube Gangsta's Fairytale 2
Funkentelechy Dr. Dre Dre Day (Extended)
Funkentelechy Ice Cube Doing Dumb Shit
Flash Light De La Soul Shwingalokate
Flash Light Ice Cube A Man's Best Friend
Flash Light Ice Cube Wrong Nigga To Fuck Wit
Flash Light Ice T Home Invasion
Flash Light Jungle Bros Sunshine (vocals)
Flash Light Kool G Rap Operation CB
Flash Light Masta Ace Jeep Ass Nigga
Flash Light Redman Rockafella
Flash Light Redman So Ruff
Flash Light Run DMC Back From Hell



Do Disco: “Motor Booty Affair”
Mr. Wiggles Ice Cube Givin Up The Nappy..
Rumpofsteelskin Ice Cube You Can't Fade Me
Aquaboogie Cypress Hill Psychobetabuckdown
Aquaboogie Dr. Dre Dre Day(Extended)
Aquaboogie Ice Cube Dirty Mack
Aquaboogie Ice T The Syndicate
One Of Those Funky Ice Cube I Wanna Kill Sam



Funkadelic:


Do disco: “Funkadelic”
Mommy, What's A... De La Soul Millie Pulled A Pistol On Santa
Mommy, What's A... Kool G Rap Two To The Head
I Bet You Beastie Boys Car Thief
I Bet You Common Sense A Penny For My Thoughts
I Bet You Ice-T Mind Over Matter
I Got A Thing... Ice Cube Who Got The Camera
Good Ole Music Biz Markie She's Not Just Another Woman
Good Ole Music Common Sense Tricks Up My Sleeve
Good Ole Music Horny Horns A Blow For Me...(remix)
Good Ole Music Ice Cube The Wrong Nigga To Funk With
Good Ole Music Jungle Bros Jimbrowsky
Good Ole Music 2Pac Young Black Male



Do disco: “Standing On The Verge Of Getting It On”
I'll Stay De La Soul Millie Pulled A Pistol On Santa
Standing On The Verge.. Ice Cube Endangered Species


Do disco: “Let's Take It To The Stage”
No Head No Backstage... EricB & Rakim Lyrics of Fury
Let's Take It To The... EPMD I'm Mad
Get Off Your Ass And... Ice-T 99 Problems
Get Off Your Ass And... Public Enemy Bring The Noise
Get Off Your Ass And... 2Pac Holler If You Hear Me



Do disco: “One Nation Under A Groove”
One Nation Under... EPMD So Whatcha Sayin
One Nation Under... Hammer They Put Me In The Mix (12" also)
One Nation Under... Ice Cube Bop Gun (One Nation)
One Nation Under... LL Cool J All We Got Left ..


Do disco: “Uncle Jam Wants You”
Knee Deep De La Soul Me Myself And I
Knee Deep Dr. Dre Dre Day
Knee Deep Everlast Never Missin A Beat
Knee Deep Ice Cube How To Survive In South Central
Knee Deep LL Cool J Nitro
Knee Deep Snoop G-Funk Intro
Knee Deep Snoop What's My Name?
Knee Deep Tone Loc Funky Cold Medina


Do disco: “Connections and Disconnections”
You'll Like It Too EricB & Rakim I Know You Got Soul
You'll Like It Too Jazzy Jeff & Fresh Prince Girls Ain't Nothing But Trouble
You'll Like It Too Jazzy Jeff & Fresh Prince I Can't Wait To Be With You



George Clinton:


Do album: “Computer Games”
Man's Best Friend Jazzy Jeff & Fresh Prince Nuthin' But A Dog
Atomic Dog Big Daddy Kane Get Down
Atomic Dog Big Daddy Kane The Beef Is On
Atomic Dog Biz Markie The Dragon
Atomic Dog Hammer Pumps And A Bump
Atomic Dog Ice-T Funky Gripsta
Atomic Dog Jazzy Jeff & Fresh Prince Nuthin' But A Dog
Atomic Dog Redman Bobyahed2dis
Atomic Dog Redman Slide And Rock On
Atomic Dog Redman Watch Yo Nuggets
Atomic Dog Redman Winicumuhround
Atomic Dog 2Pac Holler If You Hear Me

Horny Horns


Do album: “A Blow For Me, A Toot To You”
Between Two Sheets DJ Quik Deep
Four Play DJ Quik Deep
Four Play Gangstarr Step In The Arena


É impressionante a quantidade de samples que provêm do universo que rodeia o P-Funk, e como os grupos de Hip-hop os abraçaram e refizeram nos seus temas, desta lis que é muito mais extensa, apenas salientei alguns, e em especial os dos gangstarr e big daddy kane que conhecia (ou outro exemplo no tema Girls Aint Nothin’ But Troble da conhecida dupla Jazzy Jeff e Fresh Prince) Ou por artistas como os De La Soul que revitalizaram o P-Funk pelos samples usados nos seus discos. E é espantoso como os mesmos samples originam diferentes temas de cantos tão opostos do hip-hop como Mc Hammer e Gangstarr, ou 2Pac e Ice Cube.
Só por aqui se pode ver o quanto o P-Funk é grande, e pelos discos vemos o quanto é funkadelicamente genial!


Paz
Agradecimento para Johnny pela colaboração! Funk it Brother!