Friday, July 29, 2005

Jazz em Agosto Prossegue (sem Jaga!)

Cancelamento: Jaga Jazzist

Infelizmente o mundo do espetáculo tem destas coisas, cancelamentos, eventualidades que condicionam os eventos, nada que pare esta edição do Jazz em Agosto!

Comunicado retirado de A Forma Do jazz:

"WIBUTEE NO JAZZ EM AGOSTO 2005
Dia 12 de Agosto, Sexta-feira, 21h30, Anfiteatro ao Ar Livre

O JAZZ EM AGOSTO 2005 regista uma alteração na sua programação: o concerto do Jaga Jazzist (Noruega) a 12 de Agosto, pelas 21h30, no Anfiteatro ao Ar Livre, foi substituído, por motivos de força maior, alheios à nossa vontade, por uma outra formação criada há nove anos, e também norueguesa, WIBUTEE, que se posiciona no mesmo campo musical e artístico.

Os espectadores que tenham já adquirido bilhetes – à venda desde dia 19 - para os Jaga Jazzist, podem trocá-los por bilhetes para os Wibutee, para o mesmo dia, hora e local (dia 12, 21h30 Anfiteatro ao Ar Livre), ou, se preferirem, ser-lhes-á devolvido o dinheiro dos respectivos bilhetes."



Peace Y'all!

Wednesday, July 27, 2005

Jaga Jazzist e Jazz (em Agosto!)

Jazz em Agosto 2005:



Jazz em Agosto 2005 é uma organização da Fundação Calouste Gulbenkian, que apoia os novos caminhos do jazz (desde o digital, ao experimentalismo, até ao novo "velho" jazz sound), desta vez conta com os majestosos Jaga Jazzist!


Uma banda genial de jazz, que se pode chamar experimental, alternativo, digital por vezes, mas organico nas suas raízes... simplesmente genial.
A distribuição deles internacional é a cargo da famosissima label Ninja Tune, que foi onde descarreguei as minhas primeiras faixas do seu ultimo album e fiquei a descoobrir este paraiso em jazz vindo de paisagens calmas da Noruega, em Portugal é distribuido pela Ananana e pode ser comprado nas suas lojas, on-line ou por exemplo na Trem Azul.


Claro que seria inopurtono falar de Jazz em agosto e não mencionar as restantes bandas que passarão pelos auditórios do evento, no entanto como fã de Jaga dei-lhes apenas mais destaque, e também porque é a única onde me movimento com alguma sabedoria, visto não conhecer maior parte das restantes.
Toda a programação detalhada desta edição do Jazz em Agosto, aqui. O festival começa a 5 e termina com a utima actuação dia 13 de Agosto.



Boas noticias trazidas pela RIIST (rádio Interna Do Instituto Superior Técnico - website oficial) são que é possível desde já ficar a conhecer muito mais , mesmo a fundo, a programação do Jazz em Agosto, as bandas, ouvir os seus anteriores trabalhos através duma parceria entre a organização Jazz em Agosto e a RIIST: ouvir Jazz em Agosto ( é possivel descobrir toda a programação do evento calmamente via internet com optima qualidade desde casa, comprar um bilhete e assistir ao Jazz, ou consultar o site da RIIST e habilitar-se a ganhar bilhetes!).




Ainda sobre Jaga Jazzist, consultem o seu site (clickar na foto ou nome) e façam os downloads gratuitos lá ou em link directo aqui.


Os Jaga são um colectivo de musicos formados por Mathias Eick (trompete, baixo eléctrico, teclados, vibrafone), Harald Froland (guitarra, efeitos), Even Ormstad (contrabaixo, teclados), Andreas Mjos (vibrafone, guitarra, bateria, electrónica), Line Horntveth (tuba, percussão), Martin Horntveth (bateria, electrónica), Lars Horntveth (sax tenor, clarinete baixo, guitarra, teclados), Andreas Schei (teclados), Ketil Einarsen (flauta, percussão, teclados), Lars Wabo (trombone, percussão).

O texto que se segue é a descrição pela voz dos organizadores do "Jazz em Agosto":

"Herdeiros na era digital das originais expressões electrificadas do jazz (jazzrock, fusão), este colectivo da Noruega, com dez anos de existência, é considerado unanimemente como um farol das novas tendências do denominado electrojazz um campo que se revela prolífero. O seu equilíbrio fundamenta-se na compreensão de um mundo acústico e de um novo mundo electrónico, subsidiário e complementar, através de atractivas composições eivadas de experimentalismo mas também de lisibilidade."


Cover do novo album:"What We Must" (disponivel em primeira edição, dupla ou LP)

Para quem nunca testemunhou Jaga, este texto ilustra na perfeição o tal "equilibio" que existe na sua música, o digital e o nalógico se assim pudermos identificar cada estilo de programação/realização da sua música encontram-se em perfeita harmonia (jazzistica claro!). A sua discografia deixará qualquer um de boca aberta, e pode ser consultada aqui.

Apenas para finalizar, peço desculpa pelas demoras na publicação de posts pois tem sido umas duas semanas fora de Lisboa.
Ficam asim prometidos para esta semana, os posts que estão incabados e mesmo a publicar:
- Diggin
- Dj Premier
- Jazz Diggin'
- Common "be"
- Actualização em TheProducerStudio


Peace Y'all!
Thanks aos nossos leitores brasileiros pelo grande apoio!
E aos Protugueses claro!!!

Friday, July 08, 2005

Formula Pt.2

A fórmula:


Paisagens Sintetizadas + Vocalizações Mellow = Foreign Exchange

em que : -> Paisagens Sintetizadas = Nicolay * (eletrónica + Hip Hop)
-> Vocalizações Mellow = Phonte * (Hip Hop + Soul)

The Foreign Exchange não é um projecto tradicional, é definitivamente um projecto diferente. Se surge naturalmente nos nossos ouvidos pode ser fruto da genialidade de quem nele trabalhou. A distância não foi uma barreira á criação de Nicolay nem ao flow de Phonte, a Internet foi fundamental para que se conseguisse fazer este projecto over-seas.
Da parte holandesa, Nicolay é um produtor com um sentimento nórdico, faz lembrar uma especie de Royksopp (se eles produzissem hip-hop) os synths mellows, com strings muito suaves, instrumentais doces, cheios de soul mas completamente misturada com a produção suave, cheia de ambiente de Nicolay. A palavra chave será mesmo ambiente:


Se em projectos como The Love Below/Speakerboxx dos Outkast a unica constante é a imprevisibilidade dos músicos, que nos faz não saber o que esperar para a próxima faixa... Em The Foreign Exchange a beleza reside na definição do ambiente do álbum, uma paisagem mellow roda pelos nossos ouvidos, é incrivel como se consegue um album de hip hop doce, mesmo com lyrics punch de Phonte.

Da parte de Phonte (dos Little Brother) disparam-se rimas mellow, ora rimas punchy com dotes vocais obviamente confirmados por este álbum, que encaixam na perfeição em cima do Hip Hop via Electrónica que é feito por Nicolay. Os ambientes chill-out, os synths, os samples filtrados, os próprios filtros e tudo o que rodeia os temas é constante, que faz com que os 50 minutos de Connected, façam sentido.

Um disco onde os intervenientes nunca se encontraram pessoalmente, que soa como tudo tivesse sido feito num take, num estudio, é algo que faça levantar alguma poeira nos media. Por isso Connected foi tão bem recebido, conheci Connected pelo tema: "All that You Are", definitivamente um dos melhores temas do álbum. A par com o genial: "Happiness", ou "Nic's Groove"...O novo video que saiu, trata do tema "Sincere" mais uma pérola do álbum (com uma voz linda!).



Os ambientes e rimas de Connected giram á volta de temas reais, do amor, da vida, de rimas honestas e de retratos pessoas reais, definitivamente um disco de hip hop romântico, soulfull, down-to-earth, lovely... pensem no título e das múltiplas interpretações que trás sobre o álbum.


Esta pode ser definitivamente a banda sonora de uma bela noite.


Connected (2004 - BBE LP):
1. FOREIGN EXCHANGE TITLE THEME
2. VON SEES
3.
RAW LIFE
4. HUSTLE HUSTLE
5. LET'S MOVE
6. NIC'S GROOVE
7. BE ALRIGHT
8.
SINCERE
9. BRAVE NEW WORLD
10.
THE ANSWER
11.
COME AROUND
12. HAPPINESS
13. FOREIGN EXCHANGE END THEME
14.
ALL THAT YOU ARE

Existe ainda: Connected Sampler, Connected LP, Connected Instrumentals, Single Sincere, e muitas remisturas de Nicolay!

Phonte e Nicolay (click na foto para aceder ao website de The Foreign Exchange)